17 de mai de 2015

Afronta

Esse é o Afronta:


"Quando vimos Chimamanda Ngozi Adichie falando sobre “O perigo de uma história única”, não só fomos contempladas, como também percebemos que as nossas histórias enquanto mulheres negras sempre foram contadas por outros e nunca por nós. Vamos voltar as origens quando nossas bisavós, avós, e mães contavam sobre suas vidas em contos e causos e dar espaço para cada uma falar de si e sendo assim um exemplo para todas. 

O Afronta nasceu da necessidade de representação feminina e negra nas histórias contadas e ensinadas no Brasil. Da necessidade de um espaço-tempo em que as mulheres possam falar livremente do que quiserem sobre si e sobre a sociedade onde estão inseridas, nós do Afronta queremos unir forças para combater as opressões sofridas por todas nós por centenas de anos, desconstruir o ideal de beleza estabelecido, construir narrativas simbólicas que fortalecem nossa luta diária contra o machismo-racismo. 

O Projeto funciona de forma colaborativa, nós disponibilizamos as redes para que vocês nos enviem suas histórias e fotos, com isso, ilustramos suas histórias a partir da foto enviada e postamos no site e compartilhamos nas demais redes. 

As mulheres negras sendo referências para mulheres negras, juntas afrontando e com isso fazendo história."


Afronta é um projeto incrível sobre mulheres negras, para mulheres negras, com mulheres negras. Afronta é sobre referência e representatividade, sobre histórias e fatos. Afronta é sobre nós...


E essa é minha história no Afronta:


Minha história deve ser igual à de muitas mulheres negras mundo afora, mas conta-la vai além de compartilhar, passa por ter coragem de olhar para mim.

Nasci em família que não era família, de mãe adolescente e pai que tinha outro relacionamento, entre o aborta/não aborta, minha mãe ficou com medo de morrer e não revelou para ninguém quem era o pai, até que eu nasci fisicamente muito parecida com ele. Registrou, mas não assumiu de todo e minha mãe tinha muitos problemas, bebida, drogas, rebeldia... Fui morar com minha avó paterna que morria de medo de eu virar "puta" igual minha mãe e por isso me batia, para ela, ela estava me educando. 

A objetificação me acompanha desde que me entendo como gente, sempre tinha uma mão tentando me apalpar, mas nunca querendo me namorar, sempre tinha alguém querendo descobrir se eu era uma negra quente, mas nunca querendo saber o que eu pensava sobre a vida, até hoje sinto certo medo quando um homem me canta de forma agressiva na rua, porque eu sei o medo que se sente em uma tentativa de estupro, eu sei o que é passar sufoco com assédios violentos e agressivos, eu sei desde que tinha dez anos.

A hiperssexualização do meu corpo nunca foi problema para aqueles que teriam vergonha de andar de mãos dadas comigo, mas sempre foi um problema enorme para mim.

Quantas vezes causei espanto na escola por se inteligente, quantas vezes as pessoas me perguntavam (ainda perguntam), como eu posso saber determinadas coisas. Eu simplesmente fui parando de falar, de responder ao professor. Cheguei ao segundo grau tentando ser reprovada, matando aula, não fui reprovada, mas simplesmente decidi que não conseguiria entrar em uma faculdade, nem cheguei a prestar vestibular, simplesmente decidi que não conseguiria.

A infância não foi como tinha que ser e a adolescência foi um inferno. Desde muito nova me ensinaram que eu era feia.

"Sai daqui, não é contigo que quero dançar não, é com aquela bonitinha ali."

"Eu, afim da neguinha, tá louco??"

Os apelidos, as chacotas, as outras meninas querendo queimar meu cabelo porque minha avó fazia questão de trazê-lo liso e por isso eu era considerada metida, e porque eu era inteligente, então imagina inteligente e de cabelos alisados, só podia ser metida. Casei aos 18 anos porque queria fugir de casa, mas antes disso, foram muitas as surras, as depressões, os pensamentos suicidas.

Virei evangélica, apesar de toda raiz da família em religiões afro e o processo de tentarem embranquecer meu pensamento foi cruel. O meu casamento acabou porque ele arrumou outra, branca, e a culpa, claro, foi minha porque não soube ser uma boa esposa cristã. Meu filho tinha quatro anos quando me separei e desde que ele nasceu até ter uns cinco anos e ficar com o tom de pele mais escuro, eu fui confundida como sua babá, pois ele nasceu clarinho, o pai é branco, mas desde cedo ele se declarou negro. Uma vez a avó paterna o chamou de pretinho "Não sou pretinho, preto é lápis de cor, eu sou negro!", tinha cinco anos!!!

Nesse meio tempo sai da igreja e me aproximei de minha mãe que me mostrou os primeiro passos de o que é ser negra, do orgulho de nossas histórias e raízes, da beleza de nossa religião. Hoje ela não está mais aqui, mas deixou conosco seu Axé e a proteção de mamãe Oxum em minha vida.

Comecei a trabalhar e quantas foram às oportunidades perdidas, quantos "ela não tem a aparência adequada para nossa equipe". Quantos olhares atravessados, quantas chacotas, quantos espantos quando eu proferia uma palavra incomum "Nossa, como você sabe disso?”. 

Foi, está sendo difícil, mas conheci o feminismo de forma mais profunda, comecei a me empoderar um pouco mais, ainda tenho muito que me libertar e aprender e a ser mulher, mas estou no caminho.

Ainda vejo os risos atravessados e ouço as piadas, mas agora não me calo mais.
Ainda passam a mão no meu cabelo para ver se é natural, ainda há a objetificação, a hiperssexualização, a falta de empatia, a falta de amor... mas agora eu me amo.

Entrei na faculdade, finalmente, aos 36 anos, antes tarde do que nunca, e sigo lutando e aprendendo... se sigo sofrendo todas essas coisas, como mulher, negra, pobre, mãe... Mas hoje sei que eu posso vencer. Ainda se espantam por eu saber as respostas e por tirar notas acima da média, ainda se incomodam por eu participar das aulas, ainda me acham metida, mas hoje eu sei que não sou arrogante e nem procuro mais me apagar para ser aceita. Sou o que sou, forte, inteligente, participante, uma boa aluna, me aceitem ou não, não procuro mais ser reprovada.

Minha história é a história de muitas, muitas outras, por isso resolvi contar, porque todas nós podemos vencer!








Siga: http://www.afronta.org/#!sobre/chbt
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :