2 de nov de 2015

Bruxas, mulheres, sábias... somos muitas, de muitas formas.


E pensando na frase "Nós somos as nestas das bruxas..." lembrei que quando eu nasci, minha bisavó me apresentou para a Lua.

Me contam que ela "lia pensamentos", era impossível mentir para ela, que sabia o que estava acontecendo com a família, lá em Teresina e que depois as notícias me confirmavam.

Me contaram também que ela conhecia todas as ervas, chás, rezas, que ela fazia viagem astral, avisava dos perigos, davam conselhos (que ninguém ouvia e depois se arrependia), que ela era a matriarca da família, ela que unia.

As árvores de nosso quintal eram sagradas para ela e ela assim as manteve, nós respeitávamos aquelas árvores porque ela assim nos ensinou.

Ela se foi antes de eu completar três anos, mas eu me lembro dela, nitidamente, com seu cachimbo, seu cabelo longo e prateado, preso na nuca por um coque impecável. Lembro de seus olhos com aquele halo cinza em volta da íris, lembro dela me dando mingau em uma panela de ágata que tinha um flor pintada na frente... eu amava aquela panela, ficou na casa por muito tempo. Dizem que é impossível lembrar, mas eu lembro.

Eu não posso afirmar, mas sinto que a magia dela não se foi totalmente quando ela mudou de esfera, ela deixou muito aqui, deixou com algumas mulheres da família e eu gostaria muito de ser uma delas.

"Nós somos as netas das bruxas que vocês não puderam queimar." nem sempre é apropriação, nós realmente estamos aqui!